No Recife, moradores protestam por falta de energia após chuvas

Diario de Pernambuco
Na Avenida Norte, população queimou pneus. Foto: Rafael Martins/DP

Na Avenida Norte, população queimou pneus. Foto: Rafael Martins/DP

A demora na volta do fornecimento de energia em algumas localidades do Grande Recife levou os moradores a realizarem alguns protestos durante este sábado. Cobrando agilidade nos serviços da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), a população fez trânsito, queimou pneus e até entrou em confronto com a polícia durante as manifestações. À noite, a Celpe informou que cerca de 450 mil dos 500 mil clientes prejudicados devido às fortes chuvas e ventos da última sexta-feira já estavam com o fornecimento de energia normalizado. No Recife, um total de 174 árvores caíram, derrubando mais de 100 postes. Uma pessoa morreu depois de ter sido atingida por galhos de uma árvore na Avenida Rosa e Silva.

Entre os locais onde foram realizados protestos neste sábado estiveram a 2ª Perimetral e a PE-15, ambas em Olinda, Avenida Norte, Avenida Caxangá, Beberibe, Rosarinho e Guabiraba. “Isso é um absurdo. Estamos sem energia desde ontem (sexta-feira) e não temos previsão de quando isso será normalizado”, disse um morador da Zona Norte. Quem tentou se descolar no final da tarde e no início da noite deste sábado enfrentou problemas no trânsito. Em algumas situações, a Polícia Militar foi acionada para liberar as vias que haviam sido interditadas.

Para ajudar os técnicos da Celpe no trabalho de recomposição da rede elétrica, equipes de prontidão da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) estão se deslocando para o Recife. Cerca de 30 equipes especializadas em serviços de alta complexidade passam a reforçar o contingente de mais de 800 profissionais da Celpe que atuam na normalização do fornecimento das áreas mais afetadas. As equipes da Cosern irão reforçar principalmente os trabalhos de substituição dos mais de 100 postes que foram destruídos por quedas de árvores.

VEJA TAMBÉM